Left Right

A História do Kenpo

jul 18, 2010 | Sensei Helio Greca | Artigos, Principal | No Comments

Para traçarmos uma origem para qualquer arte marcial, obrigatoriamente temos que nos reportar a antiga China. Fragmentos de informação indicam que formas de luta teriam sido praticadas na Índia e na China há cinco mil anos atrás. Escritos encontrados em um casco de tartaruga narram a morte de um praticante chinês durante treinamento no ano 21 antes de Cristo.

Historicamente, uma tradição perpetrada através dos séculos conta que um brilhante médico chinês chamado Hua-To (190-265 D.C.) criou uma sucessão de movimentos para aliviar tensões e harmonizar o corpo. Estes exercícios foram desenvolvidos através da observação de animais – imitando os movimentos do tigre, do urso, do macaco e de pássaros. Estes movimentos, além de propiciarem ao praticante boa forma física e saúde, teriam sido os alicerces para o desenvolvimento e sistematização das artes marciais.

bodhidharma

No ano 520 d.C. o monge Bhodidarma (Ta Mo para os chineses, Dharuma no Japão), 28º patriarca budista e introdutor da doutrina Zen, viajou em peregrinação da Índia a China, indo para o norte, para o Reino de Wei, com o intuito de divulgar os princípios do Budismo Zen o, correndo assim o lendário encontro com o imperador Wu, da dinastia Liang.

Este encontro está registrado, devido as intensas discussões e conversações ocorridas entre os dois sobre o Budismo. Para Bhodidarma o encontro não teve validade. As palavras de Bhodidarma ao imperador nada significavam e assim, ressentido por suas tentativas, Bhodidarma deixou o palácio do Imperador e viajou para a província de Honan, onde ingressou no templo Shaolin (Shorinji em japonês).

Conta-se que, ao chegar, teria ficado insatisfeito com a pouca resistência física dos monges durante a prática de exercícios de desenvolvimento espiritual. Os monges estavam em péssimo estado, física e mentalmente, devido ao excesso de tempo que gastavam exclusivamente com meditação. Com o intuito de melhorar a forma física dos monges, desenvolveu uma série de exercícios conhecida como Shih Pa Lo Han Sho ou As 18 mãos de Lo Han.

Shaolin

Esses exercícios, que são a base para quase todas as artes marciais existentes não foram originalmente destinados como método de luta. Elas eram uma maneira com a qual os monges poderiam preservar sua saúde física enquanto praticavam exercícios de meditação.

Durante o período Sui, aproximadamente 40 anos após a morte do Bhodidarma, relatam-se constantes ataques de saqueadores ao templo Shaolin. Durante estes ataques os esforços dos monges eram fúteis. As tentativas em repelir os atacantes acarretavam em pesadas baixas. Suas habilidades não estavam em harmonia com técnicas de luta.

Durante a dinastia Yuan, um monge de nome Chuen Yuan ampliou os exercícios desenvolvidos por Bhodidarma de 18 para 72 integrando as técnicas do Ch’uan Fa e as do Lo Han. Posteriormente essas técnicas viriam chegariam a 170.

Neste período – por volta do século XVIII, quando a última dinastia “nacional” chinesa, os Ming, foram depostos por invasores da Manchuria, os Qing – o templo Shaolin se transformou em refúgio para dissidentes políticos – militares, nobres e religiosos.

Templo de Shaolim

Por volta de 1.750, temendo uma reação vinda do templo, os manchus decidiram atacar o templo e enviaram um exército de alguns milhares de homens contra os cerca de 200 opositores de Shaolin. Os poucos sobreviventes – alguns relatos afirmam que restaram apenas 8 – buscaram refúgio em vilarejos vizinhos, onde começaram a ensinar sua arte secretamente, difundindo assim o Kung Fu Shaolin através da China.

Durante os próximos séculos a história do Kung Fú e sua evolução para o Kenpo está prejudicada e é difícil determinar uma descrição acurada. Mas tendo a arte do Kung Fu permanecido, e seus ensinamentos chegaram até as ilhas de Okinawa, o reino de Ryukyu e também o Japão. Nestes lugares era citada como Kenpo (lei do punho).

Entre os períodos Sui e Ming (um hiato de 800 anos), acredita-se, muitos monges viajaram através do Japão e Okinawa trazendo com eles o conhecimento da arte do Kempo; o que explica sua larga difusão. A arte do Ch’uan Templo em okinawaFa, que originou Kempo, e teria sido ensinada como um suplemento ao treinamento espiritual diário dos monges, resistiu.

Muitos dos monges freqüentemente escolhiam discípulos ou lecionavam em vários templos budistas, propagando os ensinamentos de Buda e o poder do Ch’uan Fa. Desta fonte a arte do Kempo poderia facilmente ter se espalhado tanto entre os plebeus como entre e os nobres. Outra razão para a fundação do Kempo pode ser vista nas inúmeras viagens que os japoneses e os habitantes da ilha de Okinawa faziam à China para aprender a famosa arte do Ch’uan Fa.

Japanese Ship

Algumas pessoas chegavam a desaparecer por muitos anos, sendo mesmo, reputadas mortas por suas famílias, reaparecendo como um mestres do Kempo e outras artes marciais. Um destes homens foi Sakugawa. Sakugawa viveu em uma vila em Shuri na ilha de Okinawa e viajou para a China, durante o século XVIII, para aprender os segredos dos mestres do Ch’uan Fa. Por muitos anos Sakugawa não foi visto, e muitos acreditavam que tinha morrido em suas jornadas, mas após muito tempo ele retornou, para grande espanto de seus parentes.

Sakugawa aprendeu os segredos do Ch’uan Fa e se tornou um mestre de reputação. Após muitos anos de refinamento a arte que Sakugawa havia aprendido, vagarosamente, teve seu nome alterado para Shuri-te e é considerada a predecessora de muitas formas do moderno Karate. Outro membro do Shuri, chamado Shionja, também viajou para a China como Sakugawa fizera anteriormente, mas quando voltou em 1784 trouxe consigo um companheiro chinês chamado Kushanku.

Os dois trouxeram a arte do Ch’uan Fa, que haviam estudado junto na China, e começaram a demonstrá-la ao redor de Okinawa. Acredita-se que Kushanku e Shionja foram a maior influência no estilo de Kenpo de Okinawa, mais influentes que quaisquer outros mestres.

Infelizmente, a evolução do Ch’uan Fa para o Kenpo no Japão é também abrupta e misteriosa, apesar de um repentino interesse pelo Kempo ter surgido durante o reinado de Hideyoshi Toyotomi e seus planos de conquistar a China.

karate - Castelo Shuri

Diz-se que muitos Samurais, por ocasião de sua volta da China, não se sabe se durante ou depois da guerra, trouxeram consigo vasto conhecimento do Ch’uan Fa e através dos anos modificaram-no para incluir suas próprias artes do Jujutsu e do Aikijutsu. É neste estágio, onde a maior evolução do Kempo acontece. No começo do século XVII duas famílias, Kumamoto e Nagasaki, trazem o Kempo da China para Kyushu no Japão.

Esta arte foi modificada através dos anos até chegar a uma de suas formas atuais, o Kosho Ryu Kempo, ou escola do Velho Pinheiro. É a partir daqui que a maioria das formas modernas de Kempo se derivam.

Uma das teorias afirma que por volta de 1.235, no templo de Shaka-In, no monte Kinkai, Kukamoto, Japão, surgiu o Kempo como o conhecemos. Esta arte era uma combinação do Kung-fu Shaolin (Ch’uan Fa), trazido por um monge que fugia da China e encontrou refúgio com a família (clã) Yoshida, e a arte marcial da família, assemelhada ao Aiki-Jujutsu. Eles denominaram este sistema de Kosho-Ryu (Escola do Velho Pinheiro).

James Masayoshi Mitose

Em 1921, aos cinco anos, James Masayoshi Mitose foi enviado de sua terra natal, o Havaí, para Kyushu, para treinar a arte de auto-defesa de seus ancestrais chamada Kosho Ryu Kempo com seu tio, chamado Choki Motubu. Por quinze anos ele estudou esta arte, que era uma descendente direta do Ch’uan Fa original. Após completar seu treinamento no Japão, Mitose voltou para o Havaí em 1.936, e abriu o clube “Oficial da Auto-defesa” em Honolulu.

Self Defense Club 1950

Foi neste local que ele graduou cinco de seus estudantes à faixa preta (status de instrutor); Thomas Young, William Chow, Edmund Howe, Arthur Keawe, Jiro Naramura e Paul Yamaguchi. (Digno de nota é o fato de que apesar de o Sr. Mitose ter concedido outros certificados, somente estes seis o foram enquanto ele era o líder do Clube Oficial da Auto-defesa de Honolulu).

Nota-se que o certificado de faixa preta de William Chow foi, em verdade, assinado por Thomas Young, e não por James Mitose. Apesar da ausência da assinatura do Sr. Mitose no certificado ele ainda era o instrutor principal da escola na época. É improvável que o Sr. Young teria assinado o certificado sem a aprovação de Mitose.

Quando James Mitose parou de ensinar para se dedicar aos seus estudos religiosos ele deixou seu dojo no Havaí nas mãos de Thomas Young. Em 1.934, antes da volta de Mitose para os Estados Unidos, o termo Kempo-Karate foi visto pela primeira vez na imprensa americana.

Especula-se a razão do emprego do termo pela primeira vez. Alguns suspeitam que foi apenas uma estratégia publicitária, enquanto outros acreditam que o termo karate era simplesmente mais conhecido e de fácil identificação.

William Kwai Sun Chow

William Chow é considerado por muitos como o responsável pela maior divulgação do Kempo para o público em geral. William K. S. Chow estudou Kempo com Mitose por vários anos e, anteriormente, tinha estudado a arte do Kung Fu de sua família.

kara-ho Kenpo - William Chow

Chow uniu, como muitos mestres de Kempo antes e depois dele, as artes do Kosho Ryu e o Kung Fu de sua família para criar uma nova arte marcial que viria a ser referida como Kara-Ho Kenpo Karate Chinês. Em 1.949, Chow atraiu alguns estudantes para seus próprios ensinamentos e abriu seu próprio Dojo.

Para distinguir-se do Kenpo de Mitose, Chow referia-se a sua arte com Kenpo Karate (a romanização oficial da letra). Membros atuais da Organização do Kara-Ho Kenpo Karate Chinês têm afirmado que o Grão Mestre Chow sempre escreveu Kempo com um “m”… possivelmente para não ofender a comunidade japonesa e o Kosho de Mitose. Durante as próximas décadas Chow fez muitas inovações no sistema, incluindo o uso de técnicas circulares do Kung Fu e também várias novas formas de Kata.

Edmund Parker

Um dos estudantes mais conhecidos de Chow foi um nativo do Havaí chamado Edmund Parker. Ed Parker foi uma das figuras significativas para a história do Kenpo moderno. Em 1.954 Edmund Parker recebeu sua faixa preta de Kenpo Chinês (a forma como William Chow chamava sua arte à época).

Em 1.964, quando organizou seu primeiro campeonato, ele tornou-se conhecido do público americano em geral. O Dojo do Sr. Parker estava localizado na área de Hollywood, o que lhe permitiu ensinar sua arte a pessoas como Elvis Presley e Steve McQueen. Ed Parker aprimorou , definiu e refinou as técnicas do Kara-Ho Kempo, até transform á-lo no seu próprio estilo, o American Kenpo Karate.

Ed Parker American Kenpo

Comments are closed.